sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

delegado geral se manifesta

http://videos.band.com.br/v_88307_policiais_civis_protestam_em_sao_paulo_contra_abuso_a_escriva.htm

CHUPA ESSA!

———- Mensagem encaminhada ———-
De: @gmail.com>
Data: 23 de fevereiro de 2011 20:06
Assunto: REPRESENTAÇÃO COLETIVA DOS POLICIAIS CIVIS DE SÃO PAULO
Para: dipol@flitparalisante.com
http://www.aepesp.com.br/portal/redacao-ler/1161/
REPRESENTAÇÃO COLETIVA DOS POLICIAIS CIVIS DE SÃO PAULO
        Av. Cásper Líbero, 390, 5º andar., Luz, São Paulo – SP, CEP 01033-000, Tel. 3313.5077

           
A Sua Excelência
O Senhor Doutor GERALDO JOSÉ RODRIGUES ALCKMIN FILHO
DD. Governador do Estado de São Paulo
São Paulo – SP
 
Senhor Governador:
 
 
                                 A Representação Coletiva dos Policiais Civis de São Paulo, órgão de congregação das entidades de classe (associações e sindicatos) que pelos seus presidentes a este subscrevem, vem até Vossa Excelência para externar-lhe sua extrema preocupação com o episódio que envolveu delegados de polícia da Corregedoria Geral da Polícia Civil  e a então Escrivã de Polícia V.F.S.L., fato exaustivamente noticiado pela mídia.
 
                                   A insólita ocorrência demonstrou à saciedade, o alto grau de prepotência com que agiram os Delegados Eduardo Henrique de Carvalho Filho e Gustavo Henrique Gonçalves, que desobedeceram  preceitos constitucionais e da legislação processual penal pátria, o que se revela inaceitável sob todos os pontos de vista, até porque compromete o bom conceito da instituição policial civil.
 
                                   Outros dois delegados, também da Corregedoria, Drs. Emílio Antonio Pascoal e Renzo Santi Barbin, teriam, de algum modo, contribuído na perpetração da grotesca diligência contra V.F.S.L. Até mesmo o titular do 25º Distrito Policial, palco dos acontecimentos, teria se omitido, permitindo que um procedimento espúrio se realizasse nas dependências da unidade policial que chefia.
 
                                   De igual modo, merece censura o comportamento da Sra. Diretora da Corregedoria Geral de Polícia Civil, Dra. Maria Inês Trefiglio Valente, que procurou legitimar as práticas arbitrárias dos seus subordinados.
 
                                    Até mesmo o representante do Ministério Público, o Promotor Público Everton Zanella, como que conivente com a barbárie, procurou justificar a atitude dos policiais, dizendo que “despir a Escrivã foi conseqüência do transcorrer da operação policial contra ela”
 
                                     É de se reconhecer, Senhor Governador –e os signatários assim defendem- a premente necessidade da depuração dos quadros policiais, alijando-se os maus, porém que isso seja feito dentro dos parâmetros da legalidade, impessoalidade e moralidade, respeitando sempre o preceito da dignidade da pessoa humana.
 
                                    Assim, Senhor Governador, esta Representação Coletiva solicita, com empenho, a Vossa Excelência, que seja determinado ao Sr. Secretário da Segurança Pública que adote providências no sentido do desarquivamento do inquérito policial instaurado para apurar a conduta dos policiais da Corregedoria que trabalharam na investigação que culminou com a prisão em flagrante, com o afastamento desses policiais, até que seja o feito concluído por outra autoridade.
 
                                   Que igualmente seja desarquivado e refeito o processo administrativo disciplinar que resultou na demissão da nominada ex-servidora policial, eis que o mesmo foi contaminado pelas provas obtidas por meios ilegais.
 
                                   Em assim fazendo, estará Vossa Excelência rendendo homenagens à Justiça que a sociedade paulista e brasileira espera que seja feita.
 
                                   Valem-se do ensejo os presidentes das entidades que compõem a Representação Coletiva dos Policiais Civis de São Paulo, para apresentar a Vossa Excelência protestos da mais alta consideração e profundo respeito.
 
 
                                 São Paulo, 22 de fevereiro de 2011

É UM ABSURDO, SEGUNDO O GOVERNADOR, O VAZAMENTO DE INFORMAÇÕES NA INTERNETE

FERREIRA PINTO INDUZIDO A ERRO DEMITIU ESCRIVÃ COM BASE EM PROVAS FALSAS: IMAGENS REVELAM QUE DELEGADOS E INVESTIGADORES DA CORREGEDORIA MENTEM “DESLAVADAMENTE”…ALCKMIN COMETE GRAVE ERRO AO CONSENTIR NO AUTO-AJUDA…NO AUTO-INVESTIGAR DA CORREGEDORIA…O CASO DEVE SER INVESTIGADO PELO CONSELHO DA POLÍCIA CIVIL!
Alckmin diz que caso escrivã vai ser investigado pela Corregedoria 

Do Jornal da Band

pauta@band.com.br

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, reafirmou nesta quarta-feira que a revista de uma escrivã, feita à força numa delegacia, vai ser investigada pela Corregedoria da Polícia Civil. No processo que terminou com a expulsão da policial, as imagens – exibidas em primeira mão no Jornal da Band – não foram apresentadas à Justiça.
Para o delegado Eduardo Henrique de Carvalho Filho, a revista foi feita por uma policial militar feminina. Ele não menciona a própria participação. Já para o delegado Gustavo Henrique Gonçalves, a acusada não admitia ser revistada. A busca foi feita por policiais femininas por dentro de sua calça. Houve necessidade de algemar a escrivã, que tentava impedir a revista.
Já o investigador Daniel de Rezende Baldi, que gravou as imagens exibidas em primeira mão pela Band, afirma que não presenciou qualquer tipo de agressão. Outro investigador, que estava na sala, Guilherme Amado Nóbile, disse que a minuciosa revista pela parte interna das vestes foi feita por uma policial militar feminina.
Em depoimentos, os policiais deram versões diferentes daquela mostrada pelos vídeos. A escrivã não se recusa a ser revistada, e pede, nada menos do que 20 vezes, que a busca seja feita por uma mulher.
Sem que tenha agredido ninguém, ela foi algemada e teve a calça e a calcinha arrancadas por três pessoas. Entre elas, o delegado Eduardo Henrique.
Em 2009, o secretário de segurança pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, tomou conhecimento do vídeo da Corregedoria, e só abriu processo administrativo contra os policiais, após ser provocado pelo Ministério Público. Meses depois, a sindicância foi arquivada com o aval do próprio secretário.
A escrivã, que foi expulsa da polícia, ainda responde a processo por corrupção.



segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

COCAÍNA OU FARINHA SUJA?

Delegado e policiais são absolvidos de trocar drogas

Sem prova segura de que o crime existiu não há como cogitar de condenação dos réus. À acusação cabe o ônus de provar, cabalmente, a materialidade do delito. Foi o que entendeu o juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo, da 31ª Vara Criminal da Capital paulista, ao absolver o delegado Roberto Leon Carrel e outros quatro policiais. Eles eram suspeitos de tráfico de drogas, peculato e fraude processual. De acordo com a denúncia, os acusados teriam trocado 327,5 quilos de cocaína pura, apreendidas pelo Departamento Estadual de Narcóticos da Polícia Civil de São Paulo, por droga de qualidade inferior.
Para o juiz, a prova contra os acusados só poderia ser conquistada por meio de exame pericial específico, o que o Ministério Público não fez. Ao contrário, embasou a proposta de Ação Penal exclusivamente em depoimentos de testemunhas, de pouca ou nenhuma credibilidade, e em meras ilações.
“Não há prova de que a cocaína apresentada não era a mesma que fora apreendida”, afirma o juiz na sentença. “Desse modo, parece justificada a discrepância alegada pelos traficantes entre o estado da droga apreendida e o estado da droga apresentada à imprensa”, completou o juiz. Os traficantes sustentavam que a cocaína estava na forma de tijolos, embalada em sacos pretos. E que na delegacia (Denarc) estava em embalagem diferente.
“As acusações contra o delegado — tanto estas como outra que tramita na 29ª Vara Criminal — são absurdas”, afirmou o advogado Daniel Bialski, defensor Roberto Leon Carrel. “E prova maior não pode haver do que a decisão do magistrado, que reconheceu a inexistência de qualquer prova e ou indício de que o fato delituoso existiu”, disse. “Não foi por fragilidade probatória. O juiz reconheceu que o fato inexistiu.”
Suspeita nebulosa
A acusação de que os policiais trocaram a cocaína foi feita à Justiça em julho de 2008. A denúncia partiu dos promotores de Justiça José Reinaldo Guimarães Carneiro, Roberto Porto e Arthur Pinto de Lemos Júnior, então integrantes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, braço do Ministério Público de São Paulo.
Por conta da denúncia, o delegado Carrel foi preso por ordem da Justiça. A cocaína havia sido apreendida em Itu (SP), em abril de 2003. A droga chegou ao aeroclube da cidade a bordo de um monomotor Cessna 210, prensada, na forma de tijolos, em cinco fardos.
O delegado foi preso em 2008, na sede do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo, onde ocupava o cargo de diretor da divisão responsável pelo bloqueio e desbloqueio de carteiras de habilitação e do cadastro de pontuação de motoristas infratores.
Dias depois da prisão, a 15ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo revogou a prisão preventiva do delegado e de outros dois investigadores. A decisão foi tomada por unanimidade por três desembargadores, que concederam liminar em Habeas Corpus e mandaram expedir, imediatamente, alvará de soltura.
Na época, a defesa, feita pelo advogado Daniel Bialski, sustentou a ausência de requisitos e fundamentos para a prisão cautelar. O advogado alegou, ainda, que os acusados colaboraram com a Polícia e compareceram a todos os atos da investigação quando convocados pela autoridade policial.
Durante o julgamento do Habeas Corpus, relatado pelo desembargador Pedro Gagliardi, a turma julgadora concluiu que a prova da materialidade do crime era precária. O relator votou pela suspeição quanto à autoria do crime e entendeu que faltou fundamento para necessidade da prisão. “Não bastasse a inconsistência dos requisitos da prisão cautelar, suficientes por si só para a revogação da custódia processual, também não se verifica a presença dos fundamentos da prisão preventiva”, afirmou Pedro Gagliardi.
Perícias conflitantes
As suspeitas contra os acusados começaram em 2003, quando um lote de cocaína foi apreendido de traficantes colombianos em um avião no aeroclube de Itu. O piloto do avião disse à Justiça que transportava 300 quilos de cocaína. Mas o Denarc baixou a soma, oficialmente, para 200 quilos. Depois, soube-se que tinham restado apenas 98 quilos da droga.
O Ministério Público pediu parecer técnico ao perito Ricardo Molina. O perito concluiu que a carga no avião não poderia ser de apenas 100 quilos de cocaína. A Polícia requisitou nova perícia, feita pelo Instituto de Criminalística, que chegou a conclusão divergente.
A denúncia feita pelo Ministério Púbico se baseou no depoimento de testemunhas supostamente envolvidas com o tráfico da droga e em imagens de reportagens exibidas pelo Jornal Nacional, da rede Globo, em 23 de setembro de 2003. A tese da acusação era a de que os réus, entre eles o delegado Carrel, trocaram a cocaína apreendida por outro de pior qualidade.
Denúncia volátil
As analisar as provas, o juiz da 31ª Vara Criminal entendeu que a tese sustentada pelo Ministério Público era “possível” e acrescentou que este foi o motivo da Ação Penal não ter sido rejeitada quando foi proposta. “Todavia, para a condenação seria necessário provar cabalmente a materialidade do delito”, ponderou o juiz na sentença.
Ou seja, no entendimento do magistrado era preciso prova conclusiva de que a droga apreendida era diferente da que foi exibida, de que a primeira possuía elevado grau de pureza e a outra estava misturada. Sem essa qualidade, segundo o juiz, faltou robustez e idoneidade às provas unicamente de natureza testemunhais apresentadas pelo Ministério Público.
“A (não provada) procedência da droga ou degustação eventualmente feita por um ‘expert’ não são provas suficientes do grau de pureza do entorpecente”, declarou o juiz. “Tampouco as declarações de traficantes presos em flagrante pelos réus, pois, seria natural, como modo de retaliação, que quisessem deliberadamente prejudicar os policiais”, concluiu o magistrado.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

MP investiga bens de ex-presidente do TJ-SP

Dia 28 de janeiro, postei aqui no blog a estranheza sobre a notícia de que a Polícia Civil iria "investigar" a morte do presidente do TJSP Antonio Carlos Viana Santos, pq, de fato, era inusitado o episódio. Agora  vem a notícia de enriquecimento ilícito e a dúvida sobre a morte, se foi ou não do jeito que contaram para a polícia. Além disso, tinha investigação em andamento, já há dez dias antes da morte do magistrado. Pode ser que isso o tenha de tal modo pressionado que veio a infartar. Triste, muito triste. Realmente, minha estranheza tinha procedência. 
________________________________________

 A Polícia Civil de São Paulo abriu um inquérito para investigar a morte do desembargador Antonio Carlos Viana Santos, presidente do TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo. Santos morreu na madrugada de ontem, aos 68 anos, em sua casa.O delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Marcos Carneiro Lima, informou que o corpo de Santos foi submetido à autopsia “por cautela, em razão do cargo”. Segundo a assessoria do TJ, na semana passada o desembargador esteve internado no InCor (Instituto do Coração). Ele sofria de diabetes.
Segundo Lima, é “um inquérito policial que versa sobre morte suspeita, no sentido genérico, porque ficou a suspeição de forma vaga, apenas para que não haja questionamentos futuros”. Segundo Carneiro, o médico do desembargador recomendou a realização da autópsia. A casa de Santos passou por uma vistoria da polícia e nenhuma irregularidade foi encontrada no local, segundo o delegado-geral. “Tudo indica que foi uma morte natural, mas somente por um laudo mais apurado não haverá dúvidas sobre o que aconteceu”, disse.
 
Confira:
http://blogsandrapaulino.blogspot.com/2011_01_01_archive.html
MP investiga bens de ex-presidente do TJ-SP

Apuração se baseia em denúncia de enriquecimento ilícito também enviada à PF. Receita e ao próprio tribunal dez dias antes da morte de Viana Santos

13 de fevereiro de 2011 | 23h 00
O Ministério Público rastreia denúncia de suposto enriquecimento ilícito e tráfico de influência envolvendo o ex-presidente do Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo, desembargador Antonio Carlos Viana Santos, que morreu em 26 de janeiro, aos 68 anos. Viana teria adquirido, nos últimos meses de sua vida, bens em valores muito superiores aos seus rendimentos como magistrado – com 42 anos de carreira, seu contracheque alcançava R$ 30 mil, valor bruto, incluídos quinquênios e outros benefícios da toga. O orçamento era reforçado com aposentadoria de professor.
A investigação se baseia em denúncia que preenche 11 páginas – cópias chegaram à Polícia Federal, Receita, TJ e Ministério Público dez dias antes de Viana morrer. O relato, de uma pessoa que se identifica como “pecuarista e ex-prefeito”, aponta dados sobre a evolução patrimonial do desembargador. O Ministério Público abriu procedimento preparatório de inquérito civil – no âmbito penal, em caso de morte do investigado, a punibilidade fica extinta; mas, no aspecto civil, providências podem ser tomadas para identificar beneficiários.
Um item do acervo é o Porsche Cayenne preto, ano 2011, placas EBM-7373, que Viana adquiriu em dezembro. Ele transferiu o carro, avaliado em R$ 340 mil, para o nome de Maria Luiza Pereira Viana Santos, sua mulher, em 7 de janeiro. Outros itens apontados são dois imóveis, nos Jardins, um deles na Rua José Maria Lisboa, de R$ 1,4 milhão.
Viana foi encontrado morto em sua casa, vítima provavelmente de enfarte agudo do miocárdio. A polícia investiga a morte. Depoimentos indicam graves desavenças familiares.
O autor da representação diz que foi alvo de uma ação e, por meio de sua procuradora, conheceu uma advogada, ex-aluna de Viana. Ele diz que participou de um almoço-reunião com pessoa próxima de Viana em um restaurante da Alameda Lorena e ela teria dito que seus honorários eram R$ 200 mil, “facilitados em três parcelas” – R$ 100 mil à vista e duas de R$ 50 mil.
“Acreditando no ótimo ‘assessoramento jurídico’ aceitei o valor a ser pago, condicionando o pagamento da primeira parcela, em espécie, em um próximo encontro naquele mesmo local, mas com a presença do presidente do tribunal, pois além da oportunidade de conhecê-lo pessoalmente, queria ter a certeza que o mesmo estava a par de tudo e, principalmente, queria ouvir do próprio presidente do TJ-SP o que seria feito e o esperado resultado”, diz o denunciante. “Fomos recepcionados pelo próprio proprietário, o qual já tinha uma mesa reservada”, afirma. “Após alto consumo de álcool, já me considerando amigo, fiz questão de entregar o dinheiro para o Viana, acondicionado em uma caixa de sapato dentro de uma sacola.”
“Pediu para depositar os próximos R$ 50 mil em uma conta do Banco do Brasil que, para minha surpresa, tinha como titular o próprio presidente do tribunal”, diz. “Obtive resultado desfavorável na demanda judicial. Após assumir a presidência do TJ, Viana passou por grande mudança na vida, principalmente financeira.”

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

vai arrebentar!

O articulista Diogo Mainardi vai ser processado sim. Mesmo ele tendo tido grande cautela na redação, o que não é seu ponto forte (nem a cautela, nem a redação) ficou bem claro que ele sugere maldosamente a participação de integrantes da IURD em crimes. Envolve diretamente o nome do Bispo Macedo com criminosos. Além de que, sem nenhuma necessidade, ele reproduz o que esse pústula do Magno diz, envolvendo as esposas dos pastores. Um lixo mesmo. Enfim, é reveladora a participação de promotores de justiça todos ATUCANADOS aqui em SP (vejam como ficou chique, no youtube):




confirmando o quanto se diz há mais de ano, que o serrote botou todos no bolso: polícia, judiciário e mp, uma vergonha! com a IURD eles vão se arrebentar!
O preconceito é tão forte, mas tão forte que, mesmo havendo benefícios para o governo que aí está, junto com o molusco-apedeuta-ladrão-que nãosabiadenada mais a terrorista, vigarista, ladra e homicida, em face de evidentes ligações destes com o pessoal da Record e da IURD, ainda assim, existem os que são capazes de dar crédito a Diogo Mainardi.


Sei bem o que é ser perseguido por agentes do Estado, essa verdadeira GESTAPO montada em prejuízo do cidadão de bem. Conheço a polícia do PSDB e também o judiciário e mp, portanto, não teria dúvidas em apontar, seja para o bispo e ATÉ MESMO PARA O LULA, DILMA E QUALQUER OUTRO PILANTRA DESSES PTRALHAS (como reconheço que estão perseguindo ao José Dirceu faz muito tempo, negando-lhe direitos básicos (mas ele é "ligeiro" o suficiente para ficar quieto e só falar na hora certa) quando está havendo corporativismo e decisões tendenciosas a beneficiar esse ou aquele grupo.


O jogo é sujo, pesado e desigual. Normalmente, os "capangas" apelam até para os meios mais ESTÚPIDOS e perigosos, como intimidação no melhor estilo pistolagem. TODOS sabemos e fingimos que não ocorre, as "prisões" sob encomenda e os transportes para locais "esquisitos", onde pessoas são mortas e "desovadas" em periferias de todas as cidades do país. Depois, todos os engomados falam pópópó-pópópó e mentem sem rebuços dizendo que foi "briga de traficante".


É sempre a velha máxima, quando alguém incomoda, vale tudo. Sofri um atentado há um ano, com seis tiros cravados em meu carro. O delegado do 2º DP de Cotia, o que fez, além de manipular o inquérito? registrou simplesmente ocorrência de disparo de arma de fogo, quando o certo seria tentativa de homicídio. Essa é a polícia do PSDB.


Difícil encontrar um juiz do mesmo naipe? estou defendendo um policial injustamente acusado de concussão, uma espécie de extorsão praticada por funcionário público. A acusação era para esconder os esquemas de outro militar, envolvido com o crime organizado (a história é longa, grave e perigosa, mas mesmo assim está aqui no blog, contando a parte do promotor que está envolvido com ladrões, assassinos e traficantes). Em breve vou postar os envolvimentos do militar que hoje tem a patente de major...


Como a acusação de concussão era "pequena", esse mesmo juiz se encarregou, como forma de me dar uma "lição" poruqe eu escrevi coisas que ele não gostou em uma d minhas peças profissionais, ele esforçou-se para chegar em corrupção passiva agravada, que é uma acusação "maior" e com mais pena, já olhando para o futuro, a fim de conseguir uma vaguinha para meu cliente no Romão Gomes, presídio militar...


E chegou lá, com auxílio do ex-procurador geral de justiça, conseguindo o agravamento da acusação na marra, porque duas promotoras se recusaram a aditar a denúncia, ou seja: apresentar uma acusação "maior" contra meu cliente.


Uma delas sofreu até representação do mesmo juiz.


Daí os envolvidos na trama conseguiram forjar uma acusação de desobediência e insubordinação, outras acusações graves que podem levar o militar à cadeia. Um verdadeiro absurdo. Montaram um jeito de acusar meu cliente também de insubordinação porque ele se recusou a acompanhar um Oficial que foi buscá-lo em casa para ser levado à força à presença do juiz, que não acreditou que ele estava doente, isso atestado por médico de Taubaté e da Polícia Militar.


Alguém tem dúvida de que juiz manda mais que deus aqui no brasil e especialmente em SP?


As minúsculas são propositais.


É que o Deus que manda de verdade, se escreve diferente.


E o Brasil que eu conheço, tem lei.


Tanto tem que o Tribunal de Justiça Militar, em 18 de junho, TRANCOU o IPM que tinha sido aberto a mando do MPSP sigla que indica o Minsitério Público e que, de brincadeira maldosa, também significa: MUITO POUCOS SRÃO PUNIDOS, porque os maus profissionais até agora tem se dado muito bem, obrigado.


Quando se fazem representações à Corregedoria do MP, alguns promotores amigos das partes envolvidas, mandam e-mails desqualificando quem representou e assim, vai sendo desestimulado todo aquele que toma atitude diante de abusos.


Pessoalmente, acho deplorável que o Ministério Público permita que pessoas ligadas à atual Corregedoria trabalhem tão mal contra a própria instituição.


Consegui que o tribunal trancasse o inquérito por conta do abuso. Acabou em uma semana, sem processo, sem nada. O juiz FOI COMUNICADO NO MESMO DIA DO JULGAMENTO (18/06/08) sobre o resultado. Apesar da ordem maior, dada pelo tribunal, o inquérito seguiu normalmente, como se fosse lícito continuar a investigar e ouvir testemunhas e produzir provas, tudo contra meu cliente.


Como medida jurídica, na condição de advogada, entrei com processo chamado RECLAMAÇÃO.


O tribunal abriu procedimento para investigar se havia desobediência da ordem e fez vista-grossa para não ter que punir gente alta, inclusive o juiz. Como eu sabia que a partir dali não teriam como continuar aquela perseguição, me dei por satisfeita com a decisão de que tudo acabava por ali.


Um ano depois, o juiz está pedindo inquérito contra mim dizendo que eu o acusei e aos Oficiais todos envolvidos, de desobedecer ordem do tribunal.


Diz, por cúmulo do absurdo, que não tinha sido informado da decisão e que por isso não a cumpriu. Ora, um juiz dizer que desconhecia a decisão e por isso não a cumpre é meio forçado, afinal, ninguém pode alegar ignorância da lei para não cumpri-la. Esse é o judiciário, em um exemplinho básico, bem chinfrim, a comprovar que quem não entra no ritmo da dança, é expulso dela. Eu me recuso, mato todos eles de pura raiva, conheço a lei e por isso posso exigir.


O promotor que iniciou toda a polêmica, saiu-se com a desculpa mais imbecil que já vi diante de um bacharel, mostrando todo o seu despreparo (ou má-fé): A COMUNICAÇÃO DO JULGAMENTO NÃO FOI OFICIAL. Ora, para quem é da área, o que é comunicação oficial?


pelamordedeus! como dizem os palmeirenses da minha querida lapa... um promotor de justiça não sabe o que é comunicação oficial de um julgamento de tribunal?????????????????????????


Alô-alô MP de SP????????????????????????????????????????????????????????????????????



Uma das formas mais conhecidas de se garantir sucesso contra o inimigo é tendo poder para intimidar. Qualquer acusação serve. Basta que gere medo. No caso dos tiros contra mim, cheguei onde e com quem queria e deixei claro: vou reagir contra você e sua família e a partir de agora, minha segurança está ligada a você, se algo me acontecer... tudo vem à tona. É assim que se faz direito e justiça. Não tenho nenhum problema de assumir tudo isso de público. O mesmo juiz que me está perseguindo, já esteve envolvido em caso rumoroso envolvendo outro sujeito do PT, o Prof, Hélio Bicudo. Chegou até a OEA. Mesmo assim o sujeito virou juiz. Vê? O Brasil inteiro fede. O braço forte do Estado se tornando policialesco, seja contra o Bispo Macedo seja contra qualquer um é terrível. Pergunte para quem sofreu no regime de exceção. E de que adiantou o trtamento de exceção? tudo que não prestava continua por aí e agora até mais forte com direito às altas indenizações. O que esse Vilemar e outros vem fazendo comigo nessa lista é NOJENTO. É exatamente a mesma coisa que esses mesmos desqualificados tanto criticam no tal regime de exceção. Punem por que discordam de posições e idéias. Ridicularizam, agridem, ofendem, baixam o pau mesmo e NÃO QUEREM RECÍPROCA, nem a admitem. Eu não faço acepção de pessoas e já provei isso, quando defendi o Senador do PT, Suplicy, porque não me importa a bandeira, mas o ser humano. Conheço todas as pessoas que aparecem no vídeo e posso dizer que o ex-presidente do stj saiu de lá chutdo pq as acusações contra ele e seu filhinho advogado foram fortíssimas, mas a imprensa já as esqueceu. O Min Gilmar Mendes, embora seja um sujeito cheio de problemas que jamais devesse estar onde está, é coerente com sua própria postura, portanto, é necessário reconhecer que suas decisões se aplicam A TODOS, não a alguns. Fazer o que o pessoal da Satiagraha fez não se faz, sob pena de se aparelhar o Estado e perdermos as garantias individuais. Os demais são um advogado (aliás, antigamente amigo da Globo, na defesa da pobre-menina-rica que mandou matar papis & mamis e quando a Globo mostrou a manipulação do colega e do irmão dele saíram processando a emissora) e um professor de Direito que já foi juiz, mora no interioooooorrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr e é gente muito boa e ética. Enfim, resta agora saber por que os promotores Roberto Porto e Márcio Christino (este último uma pessoa que posso afiançar ser de excelente índole, inteligente e dedicado contra o crime) foram se enfiar nesse saco de gatos. Vaidade... hum... sinto seu cheiro no ar. Roberto Porto é mui conhecido desde os tempos do promotor-xerife-estrela-globo JOSÉCARLOSGUILHEMBLAT, conhecidíssimo no meio policial por perseguir delegados, advogados, juízes, etcetcetc como pessoa que circula com desenvoltura na globo. A imagem dele, como coelho assustado no meio de prisões com grande pirotecnia que Blat armava, sempre ficou em segundo plano, mas foi se solidificando como "bom-moço", o que está provado, ele não é. Conheço até mesmo esses expedientes de juízes pedirem licença e até alegarem fantasiosas "doenças" para apagar vestígios de que estavam fora-da-bagunça. Esse é o "time" com que a globo conta para "fazer acontecer"... só por isso a gente sabe, ela vai perder. Posso garantir a TODOS da lista, que nenhum de vocês aceitaria sofrer acusações vindas de adversários & inimigos, sem comprovação e APRSENTADA POR PROMOTOR SUSPEITO E PRESIDIDA POR JUIZ VENAL. Se vender não é apenas por dinheiro, existem várias formas de corrupção, inclusive moral. A IURD não precisa de defesa, nem o Bispo MAcedo, nem a Record, nem nenhum dos fiéis. Sobre o dinheiro que entra na igreja, dá quem quer. Eu mesma já dei diversos carros em época de campanha, já disse isso aqui e repito. E vou continuar dando porque o dinheiro é meu e eu faço com ele o que eu quiser. Quando dou, ponho no altar para Jesus, para a obra de Deus. Se for mal empregado ou roubado ou usufruído por quem quer que seja, o ladrão sofrerá o juízo de Deus. Quer risco maior? É minha fé e eu não serei ridicularizada por isso sem cobrar judicialmente as devidas explicações. Respeito e democracia se combinam no direito livre à expressão dessa fé. Se não gosto de viado é uma coisa, se DISCRIMINAR é outra. Se não gosto de negros, é uma coisa, se DISCRIMINAR é outra. Se não gostam da IURD é uma coisa, SE DISCRIMINAR AÍ O PAU VAI COMER, PORQUE EU NÃO VOU FICAR QUIETA NÃO!
Abraço, Sandra Paulino e Silva


 
quarta-feira, 19 de agosto de 2009
E-mail enviado pelo internauta David de Paula
Bispo Macedo,
Eu tinha mesmo razão.O ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a instituição máxima do Poder Judiciário brasileiro, declarou ao jornal “O Estado de S. Paulo” que o Ministério Público (MP) serviu ao PSDB durante o Governo Fernando Henrique. E hoje, em alguns estados, “para os promotores ficarem ruins, teriam que melhorar muito”.
Depois de o programa “Repórter Record” mostrar, domingo, o envolvimento dos promotores com a Rede Globo e provar que a denúncia caiu justamente na Vara Criminal onde está uma pessoa intimamente ligada ao principal autor das acusações contra a IURD, gostaria de sugerir algumas teses:
Tese 1Pelo que tenho acompanhado nos noticiários, principalmente na Globo, as investigações contra a Igreja Universal começaram em março de 2007 e poderiam muito bem ser encerradas naquele mesmo ano, já que as acusações são as mesmas arquivadas no passado pelo STF. Por que, então, esperar tanto tempo?
Tese 2Foi amplamente divulgado que a IURD tem 8 milhões de seguidores, que se multiplicam por mais outros milhões por meio de familiares e conhecidos. Talvez aí esteja o “x” da questão: imagine, bispo, a IURD apoiando a Dilma Roussef… Na cabeça do grupo formado pela Globo, “Veja”, “Folha de S. Paulo” e PSDB, isso pode ser um fator decisivo nas eleições do próximo ano.
Tese 3Permita-me fazer uma cronologia dos fatos futuros: a denúncia contra a Igreja, que já poderia ter sido entregue à Justiça há mais tempo devido à repetição das acusações, foi estranhamente preservada pelo MP e o PSDB para um ano antes de uma eleição que será decisiva para esses veículos de comunicação. Não há nada estranho nisso?
Bispo, imagine a seguinte situação: em novembro, o Ministério Público chama um dos réus da IURD para depor. Em março, o vice-presidente da Record, Honorilton Gonçalves, e, em agosto, às vésperas da eleição, o senhor, que eles chamam de “chefe da quadrilha”.
Já consigo vê-lo entrando na 9ª Vara Criminal, aquela mesma da ex-mulher do promotor, com todo o circo armado: repórteres, cinegrafistas e fotógrafos espalhados por todo o lado e o senhor, o “chefe da quadrilha”, como principal alvo dos ataques da Globo, “Veja” e “Folha de S. Paulo”. Isso sem considerar a possibilidade de algum juiz expedir antes um pedido de prisão provisória.
Conclusão: Os barões da comunicação morrem de medo que o senhor apoie a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, e ela vire presidente. Eles querem atrapalhar essa parceria. O motivo? Eles, principalmente as Organizações Globo, vão ficar quatro ou até oito anos fora do poder e, com certeza, quebrariam. Acredito ainda mais nisso, depois de ver no “Repórter Record”, a queda contínua de audiência da “Vênus Platinada” e o crescimento impressionante da Record nos últimos cinco anos.
Bispo Macedo, como o senhor tem dito, não podemos ter medo de nada.Se Deus é por nós, quem será contra?
VAMOS ARREBENTAR!
David de Paula

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

MORTE SOB SUSPEITA - O VIGILANTE SÉRGIO FOI MESMO ATROPELADO?

ENTRADA DO LOTEAMENTO GRAMADO EM COTIA FECHADO ILEGALMENTE E PALCO DE DIVERSAS MORTES QUE A POLÍCIA JAMAIS INVESTIGA...


Com um dos vigilantes do “bolsão residencial”, que se revestiu de características de “condomínio” embora seja área pública, não foi diferente. SÉRGIO JORGE PEREIRA, tinha acabado de se mudar para um dos sobrados abandonados da região e até um comerciante vizinho fizera sua mudança, poucos dias antes do Natal, ano passado. 


Foi morar no 3257 da própria Avenida Altair Martins a poucos metros da portaria.


É o crime mais comentado dos últimos 45 dias porque foi logo depois da sentença  judicial contra o loteamento ficar disponível no site do Tribunal de Justiça, que o ex-PM, chefe da segurança surtou. Ele foi demitido da PM em 2002 por um crime que ainda não foi esclarecido, mais de dez anos depois, objeto doprocesso-crime do Júri de Cajamar:


FLAVIO PEREIRA DE LIMA 108.01.2009.0053500019/10/2009Vara Única20096

No dia 17/12/10 o ex-PM parecia disposto a tudo quando veio de moto, no meio da estrada escura que passa dos limites do loteamento, querendo satisfação contra quem pediu a ação e o vigilante SÉRGIO foi testemunha no BO registrado no Embu sobre o comportamento do chefe.


Embora não seja mais policial há mais de dez anos, expulso depois de envolvimento na execução de um cidadão que reclamou de sua atuação na Corregedoria da PM, o chefe da segurança do loteamento tem promessa de seu advogado, que também é advogado de um juiz militar, de que será REINTEGRADO na PM de onde foi expulso em 2002.

O advogado que há mais de dez anos patrocina esse ex-PM e o parceiro também envolvido no crime, é ex-comandante de um dos batalhões da região de Itapecerica da Serra, área do CPA/M-8 e talvez por isso garantiu a absolvição é no crime praticado em Cajamar em 2000.

Só esqueceu que crime de homicídio de civil praticado por policial militar é competência do júri e não parece muito possível influenciar toda a máquina judiciária tão fácil como diz fazer na área militar.


Na época do crime, quando ainda eram policiais militares,  tanto o chefe quanto seu parrceiro tiveram parecer favorável pela soltura de ambos, por promotora de justiça que veio justamente para Cotia, onde o ex-PM montou a empresa de segurança junto com o ex-companheiro de farda, também expulso. A promotora ajuda para que nada desabonador ou prejudicial seja registrado CONTRA o ex-PM há alguns anos. Ela e delegados, além de policiais militares.

Fato é que, SÉRGIO “apareceu” atropelado, segundo relatório da CCR, concessionária do Rodoanel, no dia 24 de dezembro, por volta das 23,30 horas, DEBAIXO DO VIADUTO MINAS GERAIS, continuação da rua do mesmo nome, onde o ex-PM morava até há duas semanas.


Estranhas condutas do serviço público e concessão:


À chegada da viatura da PMRv no suposto local de atropelamento, bem debaixo do Viaduto Minas Gerais, o corpo já se encontrava dentro do veículo de resgate da concessionária CCR/R02 e uns poucos pertences ensanguentados, dentro de uma sacolinha de plástico, estavam jogados no acostamento. Foi levado para o Hospital Regional de Osasco, embora o Pronto Atendimento do Embu seja muito mais perto seja pela distância e/ou tempo: menos de 5 km/5minutos.


O boletim de ocorrência da PMRv nº 01844 registra os dados que o pessoal da concessionária R-02 passou e o BOPC  9404 fala em “vítima em observação médica e estado grave”.


NA SEMANA SEGUINTE FOI PLANTADO UM COMENTÁRIO  DO SUICÍDIO DE SÉRGIO, MAS QUE FOI, SEGUNDO AMIGOS E FAMILIARES, MORTO A PAULADAS E FACADAS E SEU CORPO FOI JOGADO DA LATERAL DO VIADUTO MINAS GERAIS, SOBRE O RODOANEL, NA VÉSPERA DO NATAL, POUCO ANTES DA MEIA-NOITE. 


Para saber a verdade é preciso analisar o laudo cadavérico (IML) E FEITO DE FORMA ISENTA E HONESTA. 

Infelizmente, entre os PM que passaram a ocupar logo em seguida da morte o sobrado que Sérgio morava, já se fala que Osasco "tá tudo dominado" porque é a área de amizades e influência tanto do ex-PM como de seu ex-parceiro, além dos colaboradores como o Oficial que impede pedidos de investigação.

Dizem que o laudo do IML de Osasco irá registrar a causa da morte acompanhando o que foi feito pela CCR e o médico legista vai atestar "trauma craniano grave" pruduzido por forte impacto, ou seja, ATROPELAMENTO. Nada vai ser falado sobre facadas no abdome e/ou pauladas na cabeça. Agora é aguardar.
__________________________________________________


Coincidências:

O atentado sofrido por moradores das adjascências que lutam contra o fechamento de vias públicas E QUE SOFRERAM INÚMEROS PROCESSOS DE FINALIDADE INTIMIDATIVA durante os últimos sete anos, TAMBÉM FOI A GOLPES DE FACÃO. E os comentários também indicam que foi a mando do mesmo ex-PM e “segurança”.


A explicação mais assustadora é de que ele teria pago 50 reais para mandar um dependente químico "acertar" as contas com o casal que pediu a ação de reabertura do loteamento e para isso, teria "garantida" por seu advogado e pelo amigo juiz, sua reintegração na PM.

Também uma promotora de justiça muito conhecida na imprensa estaria auxiliando, porque queria mesmo preparar uma "surpresa" para uma das pessoas que lutaram pela reabertura das vias públicas. Coisa pessoal...


O caso é muito grave. E o que parecem coincidências, não são.


Por exemplo: em fevereiro de 2010, a mesma CCR-Concessionária de Rodovias, que socorreu a vítima ou recolheu o corpo arremessado de propósito, “doou” uma defensa fixa, novinha em folha, a pedido dos interessados no fechamento de vias públicas,para que fosse fechado o acesso ao loteamento, na parte de Embu, divisa com Cotia. 


O vídeo disponível na WEB mostra bem a canalhice e o absurdo que a CCR fez e é de se perguntar: POR QUÊ? 
http://www.youtube.com/watch?v=CgsUK4BoWOs


Para auxiliar no fechamento e atendendo a interesses particulares, de valorização imobiliária de um de seus amigos, o delegado do 2º DP da Granja Viana, Cotia, ALEXANDRE MIGUEL PALERMO, se deu ao desplante de dizer em ofício, que era favorável ao fechamento porque os ladrões vinham do Embu, entre outras cidades que citou, em aberta discriminação.

Felizmente, o juiz da 3ª Vara de Cotia, FABRÍCIO STENDARD, deu liminar e posteriormente foi concedida segurança, mandando reabrir o viaduto, levantando ira dos interessados no fechamento. A CCR saiu de mansinho, fazendo de conta que não era com ela...afinal, ter que cumprir, EM PLENA 6ª FEIRA DE CARNAVAL  UMA ORDEM JUDICIAL DE REABERTURA DA VIA PÚBLICA QUE FECHOU ARBITRARIAMENTE COMO SE A CONCESSIONÁRIA FOSSE A DONA DO VIADUTO, FOI VERGONHOSO! bem-feito... quem mandou atender "interesses particulares" de grupelhos de espertos? ladrão é ladrão, não tem conversa! se rouba uma bicicleta ou o direito de usar a rua, é ladrão e ponto final.


E como tem ladrão solto! Contatos dessa concessionária com os interessados no fechamento da via pública, nem é bom falar, porque são apenas a parte "visível" de um "negócio" criminoso que movimenta milhões, senão bilhões de reais todos os anos, com a conivência do Poder Público. 

É que o rio de dinheiro que o "negócio" faz correr, é o suficiente para que juízes e promotores, sem falar de advogados, policiais e administradores de associações, SILENCIEM SOBRE O DIREITO DOS DEMAIS.


Fecham-se vias públicas e transforma-se o patrimônio público que é de todos, em vias privadas, para desfrute de uns poucos...


Mais que isso, fazem silenciar, com milícias pagas com dinheiro público como são os grupos de guardas civis e policiais "justiceiros", qualquer voz discordante. Eles são outra parte visível do “crime organizado”. E estão "trabalhando" normalmente, ameaçando quem os representou através do Gabinete do Senador Eduardo Suplicy, COBRANDO SATISFAÇÃO EM PLENA VIA PÚBLICA, FARDADO, ARMADO E COM VIATURA OFICIAL.


E tem nome: SARGENTO DANIEL ALVAREZ. 4ª Cia./16BPM/M. E provavelmente também deve ter apoio do tal juiz militar.


Assim como o Tenente LIPPI que ainda se preocupa em ocultar a cara para os ameaçados não o reconhecerem. POR QUE SERÁ QUE ELE NÃO TOMA PROVIDÊNCIA CONTRA OS BOATOS DE QUE ESTÁ USANDO A CASA QUE ERA DO SÉRGIO SEM AUTORIZAÇÃO? E SOBRE A LIGAÇÃO CLANDESTINA DE ENERGIA ELÉTRICA, O POPULAR "GATO"? SERÁ QUE ELE APRENDEU COM O PESSOAL DO 33BPM/M ONDE OS BOATOS CONTAM QUE É "GATO" A LIGAÇÃO DE ÁGUA? SERÁ VERDADE OU INTRIGA QUE BANDIDOS FAZEM SÓ PARA FALAR MAL DA POLÍCIA? mas se ninguém investigar, como vai saber se é mentira ou não, porque se for VERDADE, é uma vergonha, furto de água e luz por policiais? será???


Cedo descobre quem investiga o mínimo, que essa tal de violência urbana não é a prática de exibição de força dos grupos de jovens da periferia, mal-educados e mal-vestidos, além de mal-alimentados. Não! não são os "mano" que usam carros rebaixados e moram em Caracas ou no Morro dos Macacos em Cotia, que escutam rap e funk em alto som, falam gírias e  dialetos,  temperados com aquele ar super-agressivo. Não, não e não!


A violência no loteamento é CRIADA como dificuldade, para que seja VENDIDA A FACILIDADE. 


Saiu, logo depois da morte de SÉRGIO o ex-PM que chefiou a segurança e entra o TENENTE LIPPI, COM SEUS COMANDADOS QUE TRABALHAM NA HORA QUE QUISEREM E SÃO APRESENTADOS COMO POLICIAIS MILITARES PARA TODOS OS MORADORES. 


E, mesmo sabendo que, antes desses PM serem contratados já tinha SENTENÇA NA AÇÃO CIVIL PÚBLICA contra o fechamento de vias públicas, eles falam que ainda dá tempo de "levantar uma grana!", ou seja, até que a sentença seja analisada pelo tribunal em SP, TODOS os cidadãos tem que ficar submetidos ao poder espúrio de maus policiais, desses que envergonham a Corporação, que mereciam receber o mesmo pé no traseiro que recebeu o chefe da segurança.


Os que enfrentam essa canalha recebem tiros de calibre 12 no portão de casa http://www.youtube.com/watch?v=wRJmkeswRDA como “recado” e tiros de pistola 9mm no carro onde estava uma criança...
http://infomix2.blogspot.com/2008/09/jurados-de-morte-por-agentes-da-lei-e.html

E isto ainda não é tudo, veja mais:


MOVIMENTO CONTRABOLSÕES - Cotia/SP:

http://contrabolsoes.blogspot.com/2011/01/evolucao-do-fechamento-da-via-publica.html

FALSE CONDOMINIUMS´s VICTIMS Community
http://vitimasfalsoscondominios.blogspot.com/2011/01/os-contrarios-que-diremos-pois-vista.html

Site de notícias da Granja Viana/Caucaia do Alto/Cotia
 

http://www.portalviva.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4079:acao-do-mp-determina-retirada-de-portoes-e-cancelas-no-loteamento-gramado&catid=6:cidade&Itemid=12


CARRO DA SECRETARIA DE OBRAS DA PREFEITURA DE COTIA JUNTO DE MORADORES QUE PROTESTAM CONTRA A SENTENÇA NA AÇÃO CIVIL PÚBLICA QUE MANDA DEMOLIR TODOS OS IMPEDIMENTOS DA CIRCULAÇÃO

OS POLICIAIS MILITARES OU SEGURANÇAS, FAZEM MONITORAMENTO DA PASSAGEM DE CADA CARRO, CADA PESSOA E ATÉ AVISAM ÀS DEMAIS GUARITAS E AOS OUTROS POLICIAIS POSICIONADOS EM PONTOS ESTRATÉGICOS, PARA QUE NINGUÉM POSSA CIRCULAR SEM SER BARRADO! UM ABSURDO SEM PRECEDENTES. PIOR SÃO AS AMEAÇAS...
PORTARIA COM CANCELAS E EQUIPAMENTOS DE MONITORAMENTO


VEÍCULO OCUPADO POR PESSOAS QUE FAZEM REFORMAS NO IMÓVEL INVADIDO DO APÓS A MORTE DO VIGILANTE. A LIGAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E ÁGUA 
SERIAM CLANDESTINAS E OS POLICIAIS SABEM DISSO PORQUE ATÉ AGORA, MAIS
DE UM MÊS DEPOIS DE CHEGAREM, ONDE ESTÃO AS CONTAS???

MATERIAL DE CONSTRUÇÃO DESCARREGADO SOBRE A 
CALÇADA PARA REFORMAS NO IMÓVEL


VEÍCULO USADO POR POLICIAIS MILITARES PARA A SEGURANÇA

Nova guarita, totalmente modificada e aumentada em tamanho e estrutura

E todos os acréscimos foram feitos DURANTE O TRÂMITE DA AÇÃO JUDICIAL



A PREFEITURA DESDE MAIO, FOI AVISADA, MAS DEPOIS A PARTIR DE OUTUBRO PERMITIU E OS CONTRÁRIOS, DESDE AGOSTO VEM LUTANDO PARA QUE A INSTALAÇÃO DE PORTÕES LITERALMENTE NO MEIO DA RUA FOSSE IMPEDIDA, MAS HOUVE OMISSÃO.

Sd PM MAURÍCIO, UM DOS PMS QUE "TRABALHA" NO LOTEAMENTO

GUARITA E CANCELA INSTALADOS NA PORTA DA CASA DO PRESIDENTE DA SAG, EUGENIO MACHADO

CARROS EM PROFUSÃO E COMENTÁRIOS DE QUE TUDO É "NP", OU SEJA, FINANCIAMENTO "FRIO"

Parentes e amigos de policiais também são contratados

MAIS CARROS OFICIAIS

ATÉ DA PREFEITURA DE COTIA...

Funcionários da Secretaria de Obras no dia 09/02 levando alguma comunicação...

SD MAURÍCIO É UM DOS "SEGURANÇAS" PAGOS COM DINHEIRO PÚBLICO EM COTIA E QUE RECEBE DO FALSO CONDOMÍNIO GRAMADO

Fachada ilegal do Falso Condomínio administrado pela SAG - Sociedade Amigos do Gramado e um dos "seguranças" do local, o Sd MAURÍCIO, contratado por seu "chefe", o Sgt PM DANIEL ALVAREZ, que por sua vez, é contratado do Ten LIPI.

FICA A PERGUNTA: E A CORREGEDORIA?
para que serve?????????????????? 

NO DIA 08 DE JANEIRO A CORREGEDORIA NÃO ATENDEU A RECLAMAÇÃO POR TELEFONE, MAS UM EXCELENTE OFICIAL AGIU: PARABÉNS TENENTE SÁTIRO!

----- Original Message -----
Sent: Saturday, January 08, 2011 10:55 PM
Subject: DESVIO DE CONDUTA DE PMS DA 4ª VIA DO 16BPM/M - LOTEAMENTO GRAMADO EM COTIA

Prezado Tenente.
Nesta data, por volta das 21,30 hs, ao passar pela via pública denominada avenida ALTAIR MARTINS, no loteamento Gramado, municipio de Cotia com minha família, presenciei a vtr de prefixo 16400 com sinais luminosos ligados, desembarcando civis defronte ao prédio que serve como guarita irregular, naquilo que aparenta ser "condomínio".
A rua está fechada ao trânsito, devendo os transeuntes e veículos aguardarem a abertura SE e QUANDO os policiais militares que ali se encontram, em folga e trabalhando como seguranças, RESOLVEREM ABRIR OS PORTÕES.
Há um aviso bastante claro em uma faixa pendurada nos portões, sobre uma reunião de "apresentação da nova equipe de trabalho" para o próximo dia 16, quando os policiais serão apresentados aos moradores.
Alguns já são conhecidos, entre eles o Sgt ALVAREZ, que estava na VTR - 16400 e que saiu em velocidade ao ser flagrado no local.
Vários outros vem se sucedendo em ocorrências tão graves quanto aquela que envolveu o dono da empresa que presta segurança irregular, o ex-policial militar FLAVIO PEREIRA DE LIMA, posto que tal atividade é privativa do Estado. Aliás, pela hipocrisia de parte da sociedade local, se tornou prática recorrente, livrarem-se dos seres indesejáveis, segregando com portões, machucando, agredindo, discriminando e até mesmo matando.
Ao ser alvo de melhor atenção no passado, quando a Polícia Militar exercia controle de seus integrantes, esse ex-PM "LIMA" foi expulso do 26BPM/M junto com seu companheiro de guarnição, QUANDO A ARMA QUE ERA SUA CARGA FOI IDENTIFICADA COMO A QUE EFETUOU DISPAROS CONTRA O CIVIL ROZILDO ROMANO TORTURADO E EXECUTADO APÓS ABORDAGEM POLICIAL EM CAJAMAR.
Recentemente, foi registrado boletim de ocorrência contra esse ex-PM por condutas suspeitas contra mim e minha família em trânsito e a testemunha arrolada, dois dias depois, foi assassinada. Curioso, LIMA e os PMs, seus contratados, espalham como boatos, que se tratou de suicídio. Outras vezes, de atropelamento. Parece, ao que se comenta no meio médico-legal, que se tratou de assassinato praticado com arma branca além de objetos contundentes, como porretes, com pancadas na cabeça da vítima. Depois da violência que produziu a morte, o corpo teria sido arremessado na faixa de rolamento do Rodoanel, proximidades da favela da Avenida Sete de Setembro, Embu, divisa de área com o loteamento citado.
Após esse registro, sofri nova tentativa de homicidio, dias depois; desta feita, por dois moradores do citado loteamento, que tentaram abalroar de propósito meu veículo e se deram mal, sofrendo capotamento e destruição total do veículo. Contudo, apesar de eu ainda solicitar resgate para os mesmos, os "seguranças" (policiais militares) chegaram e passaram a me ameaçar.
Gostaria de poder contar com sua colaboração nesse momento, para que juntos pudéssemos fazer a travessia desse loteamento, ainda hoje, porque receio que haverá alguma retaliação mais séria e não tenho com quem contar. Evidente que se tentarem algo contra mim e minha família, terei de tomar providências.
Registro aqui meu sincero agradecimento pela sua conduta isenta e verdadeiramente ética. Parabéns!
Cordialmente,
Sandra Paulino e Silva - OAB/SP 80955
P.S. - A GRAVAÇÃO DE NOSSA CONVERSA E AS FOTOS ESTOU MANDANDO EM OUTRA MENSAGEM



Essa "associação privada" em Cotia, a SAG, "administra" um daqueles loteamentos que se faz passar por "condomínio", portanto, FALSO CONDOMÍNIO. Só que, sabendo que perdeu na Justiça todo$ o$ e$forço$ para o fechamento do bairro, aliá$ $u$peití$$imo, porque ninguém $abe de onde vieram milhare$ de REAI$$$$$$$$$ AGORA CONTRATA POLICIAIS MILITARES PARA INTIMIDAR E AMEAÇAR.

E muito$ dizem que o$ recur$o$ vieram da municipalidade, com o conhecimento do prefeito, que permitiu que fo$$e até modificada a e$trutura antiga, para FECHAR DEFINITIVAMENTE A$ VIAS PÚBLICA$ ...

No loteamento Gramado, há vários policiais militares trabalhando como "segurança". Um deles, o Sd MAURÍCIO (foto acima), diz ter sido contratado pelo Sgt PM DANIEL ALVAREZ, da 4ª Cia. do 16BPM/M, que usa a viatura do Cmt da Cia., para patrulhamento... conforme consta do e-mail mandado em cópia ao Senador Eduardo Matarazzo Suplicy.

PARECE QUE USA DE TODOS OS MEIOS QUE O ESTADO LHE FORNECE PARA O TRABALHO CHAMADO "ATIVIDADE FIM", que é a segurança (?) pública... PORQUE LOGO DEPOIS, VEIO TOMAR SATISFAÇÕES, MANDANDO FECHAR MEU CARRO COM MINHA FAMÍLIA DENTRO, ENTRE A CANCELA E OS PORTÕES FECHADOS E USOU A LANTERNA "SEALED BEAN" SEM CERIMÕNIA, ACERTANDO EM CHEIO O ROSTO DE MINHA FILHA DE 15 ANOS... ISSO PERTO DA MEIA NOITE, NUMA SEXTA-FEIRA... DÁ PRA CHAMAR A POLÍCIA POR FAVOR????????????

Os companheiros desses policiais, ou são seus parentes, ou são, TAMBÉM, policiais militares. Consta que o Tenente que é o chefe do bico, tem um sobrinho, RAFAEL, também como "segurança". E fica a pergunta: pra que serve o Regulamento Disciplinar mesmo?


LEI COMPLEMENTAR Nº 893, DE 09 DE MARÇO DE 2001
Artigo 13 - As transgressões disciplinares são classificadas de acordo com sua gravidade em graves (G), médias (M) e leves (L).
Parágrafo único - As transgressões disciplinares são:
26 - exercer ou administrar, o militar do Estado em serviço ativo, a função de segurança
particular ou qualquer atividade estranha à Instituição Policial-Militar com prejuízo do
serviço ou com emprego de meios do Estado (G);
27 - exercer, o militar do Estado em serviço ativo, o comércio ou tomar parte na
administração ou gerência de sociedade comercial com fins lucrativos ou dela ser sócio,
exceto como acionista, cotista ou comanditário (G);
125 - freqüentar ou fazer parte de sindicatos, associações profissionais com caráter de
sindicato, ou de associações cujos estatutos não estejam de conformidade com a lei (G);


Oras, se é FALTA GRAVE a frequência de associações cujos estatutos agridem a lei, e essa associação que tenta inutilmente usurpar o que é público tornando particular, foi alvo de ação civil pública onde se determinou que seja tudo desmanchado, demolido, por sentença judicial, então os policiais estão ali fazendo o quê?

Os "estatutos" trazem como uma das finalidades administrar o "Bolsão Residencial Gramado" que chamam de Condomínio Gramado para induzir os incautos a pensarem em área PRIVADA, quando é correto que é área pública, livre, de livre circulação, conforme o texto constitucional. Claro que isso implica desvalorização dos imóveis, submissão às leis do pais como todas as demais pessoas, enfim, voltar à condição de reles mortal.... e como isso os moradores e interessados não concordam, porque eles sempre "se acham" especiais e sobretudo ACIMA DA LEI, então contrataram seguranças armados e bastante intimidativos. Fizeram uma reunião tipo... assim... "básica" ainda em janeiro e "apresentaram" a equipe aos moradores. Comenta-se que o esse tal TENENTE LIPI É O NOVO CHEFE DA SEGURANÇA.. e até que ele vai morar pertinho, onde tem esses dois sobrados que ninguém sabe quem é o dono, mas dizem que tem proibição de ligação de fornecimento de energia elétrica. Parece que muita tranqueira vai se "mocosar" no local que é um lixo, feio, abandonado e com tudo ilegal. O "mocó" fica na Avenida Altair Martins, 3257, no prolongamento do CONDEMÔNIO... é... dizem que a alma do coitado do Sérgio fica "vagando" por lá... e por debaixo da ponte do Rodoanel onde foi jogado o corpo... Pelo menos, faz companhia pra alma do ROGÉRIO que até hoje ninguém investigou como é que o pobre foi tomar dois tiros na boca... os sobrados estão bem do lado da casa do menino e de frente pra onde o corpo foi achado. Que lugar SINISSSSSSSSSSTRO!






P.S. - PARECE QUE JÁ FOI ABERTA ALGUMA INVESTIGAÇÃO OFICIAL SOBRE A MORTE DO  SÉRGIO... será por isso que o ex-PM sumiu? depois vou postar todos os BO e mais algumas "coisinhas"

perfeito, perfeito, toma jeito... eu troco letras!

POLICIAIS DÃO MAU EXEMPLO

O Sd MATURANO, da 3ª Cia. do 33BPM/M (Carapicuiba) circula em frente ao Mc Donald's da Granja Viana, por volta das 14,30 de 8 de fevereiro, em companhia do motorista e parceiro de equipe, que está "conduzindo" a VTR de prefixo M-33339, Sd BARRETO. Dá uma olhada como eles são civilizados no trânsito...

POLICIAIS COMANDAM GRUPO DE EXTERMÍNIO

Não há grupo de extermínio sem a presença de Policiais e PRINCIPALMENTE SEM APOIO DE EMPRESÁRIOS, GOVERNANTES E AUTORIDADES !!! 
E, governantes respondem a interesses do poder econômico, TALVEZ POR ISSO QUE NO ESTADO DE SÃO PAULO MUITO SE COMENTA, MAS DOS QUE PODIAM, NINGUÉM TEVE A OUSADIA DE PEDIR UMA INVESTIGAÇÃO PARA SABER SE AS MALDITAS "MAQUININHAS" DE JOGO DERAM DINHEIRO AO PARTIDO QUE DISPUTOU A ELEIÇÃO NO ESTADO. SÓ O QUE FICA MUITO EVIDENTE E NÃO DÁ PRA NEGAR É QUE TÁ ASSIM Ó, DE CORONEL E SOLDADO TAMBÉM, GANHANDO ALTO COM CARIMBOS DE IDENTIFICAÇÃO, MOSTRANDO QUAL PODE SER APREENDIDA E QUAL NÃO PODE. SE FALAR DA PC ENTÃO... NUSSSSSS AÍ O BICHO PEGA. É UMA PROMISCUIDADE DESGRAÇADA QUE ACABA COM AS INSTITUIÇÕES. E NÃO ADIANTA FAZER RITUAL EM CIMA DE CHÃO XADREZ PRETO-E-BRANCO E DISTRIBUIR COMENDAS PORQUE DEFUNTO ENFEITADO CONTINUA SENDO CADÁVER E LIXEIRA DECORADA CONTINUA COLETANDO LIXO! 

O GLOBO: Policiais comandam grupo de extermínio em todo o país



Ouvidoria de direitos humanos diz que homossexuais são alvo no Nordeste
Roberto Maltchik
Vigilantes contratados por grupos de extermínio, comandados por policiais. Mortes em série de adolescentes na tríplice fronteira. Execuções sumárias de homossexuais no Nordeste do país. Omissão de investigadores diante de mães desesperadas. O retrato da violação de direitos humanos, escondido sob inquéritos nebulosos ou inacessíveis até mesmo ao Ministério Público, fica estampado por centenas de denúncias que chegaram nos últimos três anos à Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos. Em pelo menos seis estados – Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Goiás, Mato Grosso e São Paulo -, a existência de grupos de extermínio está caracterizada, de acordo com o ouvidor Fermino Fecchio Filho.
Catalogadas em Brasília, as denúncias de brasileiros sem rosto conhecido ou notícias que se perdem no turbilhão de casos de omissão ou abuso de autoridade levaram o ouvidor a concluir que os grupos de extermínio estão disseminados pelo país. Segundo ele, as violações aos direitos humanos são alimentadas por duas falhas estruturais do sistema: a negligência do Judiciário e o corporativismo policial.
—- Grupo de extermínio é geral, é no Brasil inteiro. Não tem grupo de extermínio se não tem polícia envolvida. O que mais choca são os autos de resistência, seguida de morte. Você não tem laudo de local, não tem laudo de balística. A maior causa mortis é a caminho do hospital, mas ele já está morto. Quando você consegue um laudo, vê que são pessoas que morreram com 12, 20 tiros. Que socorro foram prestar? Foram desmanchar o local do crime — afirma o ouvidor.
Omissão policial em Luziânia (GO)
Em Maceió (AL), mais de 30 moradores de rua foram assassinados apenas no ano passado. Para o governo do estado, todos foram vítimas de disputas do tráfico. Ao analisar caso a caso, com o apoio da Força Nacional de Segurança, o ouvidor chegou a outra conclusão:
- Um ex-PM é responsável por duas dessas mortes. Na morte de quatro deles tem dois investigadores da Polícia Civil envolvidos. Tem um vigilante responsável por três mortes. Vigilante é terceirização de execução – afirma.
Na última terça-feira, a morte de Paulo Vitor de Azevedo completou um ano. O jovem de 16 anos foi uma entre as vítimas do assassino serial que aterrorizou a cidade de Luziânia (GO) em 2010. Lá, o caso é de omissão e reforça a crise da segurança no entorno de Brasília, uma das regiões mais violentas do país. Por mais de dois meses, as mães dos jovens então desaparecidos pediam providências. Porém, do delegado Rosivaldo Linhares Rosa, a mãe de Paulo, Sônia de Azevedo Lima, ouvia uma desastrosa versão:
- “Ele está com o amiguinho. Isso é comum aqui, muita criança desaparece.” E o meu filho com o cara fazendo tudo aquilo lá. Se eu pudesse, eu esganava ele (sic). Outro dia, fui à delegacia, e ele teve o desplante de me cumprimentar – contou Sônia, revoltada.
Foi quando o Ministério Público de Luziânia cruzou dados dos inquéritos policiais com os registros de mortes violentas no Instituto Médico Legal para descobrir mais uma violação alarmante: vários cadáveres sequer tinham inquérito policial instaurado.
- Aqui no entorno há muitos casos em que nem a polícia comparece. Quem vai buscar o corpo é a funerária. É assim que está a segurança no entorno. Perto da divisa com a Bahia, o perito aparece lá a cada 20 dias – conta Fecchio.
De acordo com o ouvidor, cidades como Rio de Janeiro e São Paulo também estão sob ameaça constante. Crimes como a chacina de Acari (RJ), com 11 mortes, ou os 40 assassinatos na Baixada Santista (SP), em 2008, nunca foram esclarecidos. Mas as principais violações ocorrem no Nordeste do Brasil.
Ele conta que São Paulo, por exemplo, abriu os olhos da sociedade para a violação dos direitos de homossexuais, quando foram divulgadas imagens de agressões no centro da cidade. Mas a prática é corriqueira em cidades como João Pessoa (PB). O ouvidor recebeu da Secretaria de Segurança do estado a confirmação de que existem grupos de extermínio, ligados a policiais, cujos principais alvos são gays e ex-presidiários.
- Há um extermínio de gays neste país. Você tem quase 200 gays por ano executados, isso os que são registrados. Agora, quando você vai pedir informação sobre esses casos às polícias dos estados, ninguém fornece – afirma.
Desde dezembro, a luta contra a violação dos direitos humanos ganhou o reforço da reestruturação do Disque 100, número telefônico fornecido pelo governo federal para o recebimento de denúncias, e que até o final de 2010 atendia somente a casos envolvendo crianças e adolescentes. Agora, o Disque 100 recebe denúncias de ataques contra idosos, homossexuais e portadores de deficiência. A própria Ouvidoria dos Direitos Humanos passou todo o governo Lula sem ter sequer orçamento próprio. Fecchio revela que, sem reforço de estrutura, a ouvidoria continuará contabilizando mortes, sem oferecer estatísticas para que o governo se antecipe às tragédias:
- O desafio que fica é oferecer dados detalhados à sociedade para que tenhamos políticas preventivas onde há violações agudas. Só com estatística e com um controle social menos débil será possível mudar essa realidade
Governo Dilma quer aprovação da Comissão da Verdade para identificar torturadores
BRASÍLIA – Vítima da tortura durante o regime militar, a presidente Dilma Rousseff está disposta a ir além do que fez o governo Lula em relação ao reconhecimento oficial das violências cometidas pela ditadura. A partir de agora, o Executivo vai se empenhar na aprovação do projeto da Comissão Nacional da Verdade para que os torturadores sejam identificados. Mas o governo sabe que não dá para ir adiante e punir os agressores porque foram todos anistiados. O Estado brasileiro vai ter de deixar claro que houve tortura e nominar que fulano de tal é torturador. É preciso uma manifestação final de quem foi torturador e o que ocorreu nos porões da ditadura – disse um interlocutor do Palácio do Planalto. A relação e a história de Dilma com esse passado vai tornar seu governo diferente no trato de temas como abertura de arquivos e busca pela localização de desaparecidos políticos. Em apenas uma semana de mandato, a presidente deu algumas demonstrações que esses assuntos lhe são caros. No discurso de posse, usou o jargão dos anos de chumbo e falou dos amigos que “tombaram no caminho” e que, como ela, ousaram “enfrentar o arbítrio”. Outra manifestação de apreço à causa foi na festa de sua posse, quando convidou diversas colegas que estiveram presas com ela no presídio Tiradentes, nos anos 70, em São Paulo. As antigas militantes foram a atração no coquetel do Itamaraty. Posaram para fotos até com embaixadores de outros países, curiosos em conhecê-las. Declaração de ministro rende puxão de orelha. Nesta semana, Dilma reagiu à declaração do general José Elito Siqueira, ministro do Gabinete de Segurança Institucional. O oficial tocou na ferida ao afirmar que o fato de haver desaparecidos durante o regime militar não era motivo de se envergonhar ou se vangloriar. Dilma o convocou para uma conversa, interpretada como um puxão de orelha. A iniciativa de Dilma de convocar Elito teve impacto imediato entre suas colegas. Presidente do Grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo, a jornalista Rose Nogueira, que esteve presa com Dilma, elogiou o comportamento da colega nesse episódio. Diria que foi um cartão de visita de Dilma. Não se pode ser tolerante mesmo com essas posições. O general teve que se explicar e se espera que tenha aprendido a lição. Dilma é assim, dura e firme de um lado, mas doce e conciliadora quando precisa ser – disse Rose Nogueira. – Lula é mais conciliador, mais popular. Os dois têm personalidades bem diferentes.

Arquivo do blog

A PM DEFENDE OS PM?

Quem sou eu